20160604

Uma luz antiga



Essas estátuas sem cabeça, sem braços, esses troncos existindo só por si não exercem especial fascínio sobre uma quantidade considerável de indivíduos que visitam em geral os museus e, mais raramente, as ruínas. Pelo contrário, essa mutilação impede-os de ver. Creio não exagerar se disser que constituem a maioria.

Que nos faz então – incluo-me nesse número – permanecer fascinados face a um torso quebrado de um qualquer atleta clássico desconhecido, contemplar sem fadiga essas obras, em certa medida privadas de ser, de sentido?

Por uma curiosa simbiose, somos de certa forma semelhantes a essas estátuas abandonadas pelos deuses. É de facto o seu destino aquilo que melhor entendemos e sentimos.
De algum modo elas são à sua maneira uma espécie de espelhos. Para a maioria, contudo, elas não refletem imagem alguma. São apenas estátuas partidas.


(excerto de texto antigo, sem alterações) 

20160522

Pequenos apontamentos


                                                                                                                              para Daniel Rodriguez